• Confira nosso material com tudo que você precisa saber sobre IRPF. Baixe agora o nosso e-book gratuito!
  • baixe o e-book
  • Siga-nos no Facebook
  • Siga-nos no Twitter
  • Siga-nos no Linkedin

(51) 3026-8282


Blog

15 de Maio de 2019

Abrindo uma empresa: 3 dicas cruciais na hora de começar

Abrir uma empresa é um grande passo na trajetória de qualquer pessoa. Mas é comum que, ao tomar essa decisão, surja a dúvida: por onde começar?

Não é uma tarefa fácil tomar conhecimento de todas as possibilidades e obrigações que surgem com a abertura de um negócio. Além de toda a burocracia que pode estar envolvida, também é preciso saber lidar com todos os investimentos que precisam ser destinados para isso.

Mas, neste material, vamos mostrar que nem tudo é tão complicado como parece. Tendo um bom plano de negócios e entendendo o processo, ele acaba sendo mais simples. Confira, a seguir, 3 dicas para tirar sua ideia do papel.

 

1) Defina o tipo de empreendedor que você quer ser

São várias possibilidades. Você pode ser um Microempreendedor Individual (MEI) ou iniciar a jornada como Simples Nacional, como Microempresa EI ou EIRELI.

Mas o que significa cada uma, afinal?

O MEI trabalha por conta própria, e não pode ter participação em nenhuma outra empresa como sócio e titular. Tem o limite de faturamento de 81 mil reais por ano. A vantagem é que o Microempreendedor Individual não paga imposto sobre o faturamento ao Governo, apenas uma taxa fixa mensal.

Já para as empresas que se enquadram no Regime Jurídico de Simples Nacional, você pode ser Empresário Individual (EI) ou Empresário Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI).

Em ambas, não é necessário ter um sócio; o Regime de Tributação fica à escolha do empresário; e o limite de faturamento é bem mais alto. A grande diferença está no nível de responsabilidade do empresário em relação à companhia.

Abrir uma empresa no regime de EI é mais fácil, pois o empresário precisa ter, em caixa, o valor mínimo de R$ 1.000,00. Não há um limite de faturamento, mas, se estiver no Simples Nacional, ele é de R$ 4.800.000,00. Apesar disso, nem todos podem ser Empreendedores Individuais - se você for oferecer serviços de uma profissão regulamentada, deve abrir uma EIRELI. Outra diferença é que, em casos de dívidas, elas são resolvidas com os bens pessoais dos EI.

Na EIRELI, o empresário deve responder pelas dívidas da empresa com o valor que instituiu como capital social, e não com seus bens pessoais. Mas, por isso, o capital social é mais alto: cem vezes o valor do salário mínimo vigente.



2) Defina um modelo de negócio

A abertura de uma empresa deve ser muito planejada e feita com cautela, para que o investimento não seja um desperdício de recursos. Por isso, é extremamente importante definir um bom modelo de negócio.

O mais indicado é atuar em uma área em que você já tenha conhecimentos prévios. Ao definir como você pode contribuir para o meio em que deseja se inserir, precisa estudá-lo. Nesta etapa, é crucial responder às perguntas: quem são meus concorrentes? O que eles estão oferecendo? O que posso oferecer de novo? Assim, você garante que seus serviços são importantes e que as pessoas estarão interessadas no seu produto.

Se você quer começar o seu negócio, mas não tem valores significativos para investir, existem maneiras de iniciar que não requerem grandes quantias. Cursos, negócios e comércios online são bons exemplos. Franquias também podem ser ótimas opções, já que todas as informações e planos necessários serão oferecidos a você.

 

3) Estabeleça um controle financeiro eficiente

Afinal, não adianta se planejar para abrir uma empresa com êxito e não ter caixa para fazê-la prosperar. Você precisa ter valores controlados para poder comprar matéria-prima, manter as contas em dia e fazer com que a estrutura continue funcionando.

Com um bom controle, também é possível identificar falhas no processo, como investimentos mal feitos e compras realizadas em excesso, e agir para eliminar esses riscos.

Ao ter esse controle bem estabelecido, adquira o hábito de registrar todas as movimentações financeiras da sua empresa, e faça projeções. Assim, é possível identificar se suas metas estão sendo atingidas.

Para isso, você precisa da ajuda de ferramentas, que também irão facilitar a tarefa de controlar seu fluxo de caixa, receber pagamentos de clientes, emitir notas fiscais e controlar o estoque.

Para não se atrapalhar com prazos e datas de entrega no começo, invista em planilhas e aplicativos para organização. Tenha sempre em mente os dias de pagamento de impostos, pois o não cumprimento dessas obrigações pode ser prejudicial para o seu negócio.

O mais importante é entender a importância deste controle e procurar a ferramenta que mais se encaixe às suas necessidades.

Se você quer ajuda profissional para isso, conte com a Proceconta Serviços Contábeis & Empresariais!

Entre em contato e saiba mais clicando aqui.